quinta-feira, 4 de novembro de 2010

As rosas de Alice...

“The Rose Garden” – Paul Klee


Minha idéia é meu pincel
a tela é meu coração
Olhando o Jardim das Rosas
De outro jardim me lembrei
Um mundo das maravilhas
Alice, ali, encontrei
Já não estava tão menina
Crescida ainda buscava as respostas
Rosas e cidades se fundindo
na pintura dos seus sentimentos
Cores fortes e ritmadas
na partitura Kleeniana
Encontrar-se a si própria
O mundo não é só cor-de-rosa
Mas é da cor que quisermos ser
Transformação operada
A lagarta já é borboleta
E você Alice constitui-se a resposta
Que tanto ansiava ter
A vida está dentro de ti!!


E assim na tela de Lewis Carroll (Down the Rabbit-Hole - "Alice in Wonderland") é "…o jardim mais encantador que já se viu". A visão da doce menina Alice.

E, mais tarde, na tela de Burnt Norton (No. 1 of "Four Quartets" - T.S.Eliot) eí-la Alice na seguinte visão:

"Ecoam passos na memória
Ao longo das galerias que não percorremos
Em direção à porta que jamais abrimos
Para o roseiral".



 

E no mundo fantástico das idéias  pintamos os sentimentos da cor das rosas de Alice. Telas de imaginação. Expressionismo transcendental.  Visão essencial do artista. Eis, então, a minha participação na bela blogagem coletiva do blog Café com Bolo da querida Glorinha L. de Lion, Minha idéia é o meu pincel!!

Alice da nossa infância e da atualidade também. Partilho com vocês os sentimentos que senti quando o seu novo filme assisti. O texto foi escrito por mim e publicado, aqui, aos 26/04/2010, sob o título:

O retorno de Alice...


O clássico da literatura infantil, criado pelo escritor e matemático Charles Lutwidge Dodgson (1832-1898), em 1864/1865, sob seu pseudônimo Lewis Carroll, ganha nova forma e interpretação cinematográfica desde a sua primeira filmagem em 1903. Trata-se do conto inglês bem conhecido de todos nós, Alice no País das Maravilhas, que há muito pertence ao universo das estórias contadas e recontadas às crianças de várias gerações.

“Tudo tem uma moral: é só encontrá-la” escreveu Lewis Carroll. Entender o que ele quis dizer e encontrar a sua própria lógica torna-se, de fato, um desafio ao enigma que foi a sua própria vida. A literatura de Carroll pertence ao gênero denominado nonsense. Expressão de origem inglesa que denota algo sem nexo. Bem apropriado ao mundo fantástico e surreal dos sonhos de Alice. Aliás, o sonho é assinalado por uma lógica do absurdo. E na primeira versão, Alice tem seus 11, 12 anos. E tudo naquele belo mundo que se lhe apresenta é para ela maravilhoso e fascinante. É a passagem da sua tranquila meninice para a inquietante adolescência.

Com a estória que conhecíamos desde crianças, na cabeça, fomos assistir a nova Alice no País das Maravilhas de Tim Burton. Burton lança um novo olhar sobre a obra de Carroll. Ousa imaginar uma continuação, um retorno. E, aí, reside a sua criatividade. O diretor mesmo possuindo predileção pelo sombrio e aterrorizante, imprime ao filme, que tem a marca da Walt Disney, ares de uma vitalidade estética e transcendental. Trata-se, na essência, da mesma Alice, todavia, agora, já uma jovem que está saindo da conturbada adolescência a caminho da juventude. Órfã de pai, com sua mãe e uma irmã casada, é herdeira de um comerciante internacional. Com apenas 19 anos está prestes a ser pedida em casamento por um nobre de Oxford. Pressionada pela imposição da sociedade de sua época, Alice dá novamente asas à sua imaginação e sai correndo atrás do Coelho Branco. Precisa encontrar-se a si mesma. Tomar consciência de quem realmente é e o que quer para sua vida. Necessita posicionar-se perante o mundo dos adultos ao qual pertencerá. E assim, novamente, cai na toca e chega ao mundo subterrâneo. Tudo, ali, para ela é estranhamente “novo”. Todavia, os personagens são os mesmos. Bizarros e psicodélicos. O Coelho Branco, os Gêmeos Tweedle-Dee e Tweedle-Dum, o Gato esvoaçante, a Lebre de Março, o Chapeleiro Maluco, a Rainha de Copas, o Valete, a Lagarta, e outros. Ali, Alice descobre que depois que partiu, a Rainha de Copas destruiu o reino da Rainha Branca e subjuga a todos com tirania e crueldade. Somente o Chapeleiro Maluco reconhece na “nova” Alice a mesma menina que, ali, já estivera. Aliás, Alice reconhece que as melhores pessoas, muitas vezes, são os que, aparentemente, parecem “loucos”. Loucos porque fogem à regra pré-estabelecida para cada um dentro de uma sociedade dita “racional”.

E a profecia dizia que somente Alice poderia enfrentar e derrotar o Dragão Jabberwocky e devolver o reinado à Rainha Branca. E assim foi. A jovem personagem consegue vencer o seu próprio medo e, finalmente, tomar nas mãos as rédeas do seu próprio destino. Encontra a sua resposta. Volta à realidade e recusa um casamento arranjado e sem amor. Enfrenta as críticas da sociedade. Adverte o seu cunhado infiel. Aconselha a sua tia senil a procurar ajuda médica. Empreende, juntamente, com seu ex-sogro/sócio, uma viagem dos negócios aos quais se dedicará. Parte para além do seu pequeno mundo. E, está lá, já transformada, a borboleta azul simbolizando uma nova vida. Um futuro promissor, livre e responsável.

É o que acontece com cada um de nós. Não só na passagem da meninice. Da adolescência. Da fase adulta. Da velhice. Da morte que é transformação. Mas em todos os momentos. Em todos os instantes. Estamos sempre enfrentando os nossos medos, as nossas “Rainhas de Copas”. Mas, ao final, conseguimos ouvir a nossa própria essência, os nossos próprios “Chapeleiros Malucos”. Na lógica do absurdo, há alguma razão que, certamente, conseguimos encontrar quando, de fato, nos comprometemos em conhecermos a nós mesmos para, aí, sim, decidirmos ser felizes. Bela “roupagem”. Parabéns Tim Burton!



Parabéns a você também Glorinha pela tela escolhida. Sentimentos e lembranças. Pintura, música, palavras escritas. Na tela vida. A arte cinematográfica. Mistura de expressão. Fantástico mundo do coração!! Obrigada.

Um bom dia a todos!! : )



 





 

36 comentários:

  1. Oi, Suzi amiga
    Vc sempre caprichando, menina!!!
    Post rico...
    "Crescida ainda buscava as respostas"... vc pensou também em mim, foi???
    Chego da roça e vi também ruelas... rosas... bem rosadas, certamente!!! E sem agrotóxico...
    Bjm sereno do interior

    ResponderExcluir
  2. Oi, Rosélia querida:
    Rosas são maravilhosas, não é?!! Que bela viagem você fez. Vida saudável. Maravilha!! Obrigada pela partilha, pelo carinho amiga. Um grande beijo no seu coração :)

    ResponderExcluir
  3. Olá Suziley!
    Linda sua participação e pelo visto, mais uma escritora na blogosfera. parabéns!
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  4. OláSuzy,

    Gostei bastante desta sua ideia de ligar a outros jardins, optando por desenvolver o da Alice.

    Belo poema e texto muito bom.

    Abraço

    António

    ResponderExcluir
  5. Que maravilhosda participação e que legal ver como cada um interage com a tela...beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Susiley (ao visitar seu blog eu fico com saudades de Porto Alegre, ao ver a foto no topo rs. Estive ai algumas vezes e gostei muito)
    Eu gostei! uniu uma arte com a outra arte, da literatura.
    E um grande jardim, meio confuso, meio perdido, que tão bem representa nossa vida e nossos desafios, sentimentos, medos interiores.
    foi um insight muito bem bolado e amarrado.

    tá uma beleza essa blogagem coletiva! o tema é difícil mas ninguém faz feio, ao contrário.

    bom dia

    ResponderExcluir
  7. Lindo, Susiley! Arte puxa arte, uma ideia, outra...e assim vamos nós, pelos jardins de Alice, de Klee, da nossa imaginação. Como eu imaginava cada ideia é um pincel e, com eles, andamos a colorir o mundo! Obrigada, bjs,

    ResponderExcluir
  8. Muita arte e leveza...
    Pinturas e coração...
    Tela e paixão...
    Bom dia !
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  9. Impossivel nao passar por aqui...sou viciada nesse cantinhoo, mas tambem nao é pra menos ne,so tem coisa boa de se ler e se ver por aqui!

    ResponderExcluir
  10. Eu gostei da mistura da tela com a vida e questionamentos da Alice!

    ResponderExcluir
  11. Muito boa idéia ao unir as artes e explorar o autoconhecimento. Tem sido interessante observar o enfoque de cada pessoa.
    Como uma imagem se transforma a cada olhar.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Muito pertinente a sua postagem sobre o filme de Alice, no país das maravilhas e a união com a blogagem coletiva. Como tenho imaginação fértil, logo imaginei o Coelho Branco pulando de telhado em telhado e Alice correndo atrás! :)
    Boa blogagem! Beijus,

    ResponderExcluir
  13. Suzi que coisa mais bela!

    Amo jardins e flores. Essa ligação que você fez, partindo do Olhar de Alice... magnífico! Belo, adorei!

    ResponderExcluir
  14. Jardins são mesmos belos, Márcia querida!! Obrigada pela partilha, beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  15. Oi, Luma:
    Também imaginei o Coelho pulando...hehehe!! Obrigada pela partilha, beijos, boa noite :)

    ResponderExcluir
  16. É verdade, é uma riqueza de olhares. Obrigada, pensando em família :)

    ResponderExcluir
  17. Arte da amizade, obrigada Ana querida amiga, beijos :)

    ResponderExcluir
  18. Oi, Lu:
    Fico feliz que tenha gostado. Agradeço pela partilha. Beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  19. Oi, Sol querida, sempre uma amiga sensível. Agradeço por sua partilha. Beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  20. Beijos no seu coração também Camila. Agradeço sua partilha. Boa noite :)

    ResponderExcluir
  21. Oi, Glorinha:
    Eu que agradeço a bela escolha da tela em questão. Dei asas à imaginação. Uma alegria participar da blogagem. Beijos no seu coração, boa noite :)

    ResponderExcluir
  22. Oi, Alexandre:
    Quando quiser volte a Porto Alegre. Aqui, é muito bom. A tela proposta foi sensacional. Dei asas à imaginação. Arte da literatura, da pintura, do cinema. É assim que vamos partilhando o nosso sentir. Agradeço pela partilha. Boa noite, beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  23. Obrigada Chica querida, é muito legal ver como cada um vê e sente a tela. Ainda vou passar por outros blogs também. Um grande beijo, boa noite :)

    ResponderExcluir
  24. Agradeço por sua partilha, Antônio. Boa noite, beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  25. Beijos cariocas é tudo de bom!! Agradeço sua partilha Beth. Foi muito criativa a sua postagem também. Beijos, boa noite :)

    ResponderExcluir
  26. Oi, Monique, beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  27. Oi, Suzy!

    Um lindo poema, e um belo paralelo com o jardim de Alice. Gostei especialmente dos versos iniciais "minha idéia é o meu pincel, e a tela é o coração"
    E da referência à busca pelas respostas, e do encontro com si mesma, na figura de Alice.

    Luz e paz!

    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  28. Oi Suzy!
    Que maravilha!

    Parabéns pela criatividade!

    Abraços
    Lia
    Blog Reticências...

    ResponderExcluir
  29. Oi, Socorro:
    Agradeço pela partilha. Um grande beijo no seu coração, bom dia :)

    ResponderExcluir
  30. Oi, Lia:
    Um bom dia para você e agradeço pela visita e pela partilha. Beijos no seu coração :)

    ResponderExcluir
  31. Só mesmo uma alma poética traduziria tão lindamenta as artes: da tela e das histórias.
    Mergulhei de novo no universo de Alice transportada por teu texto, tua poesia, tuas imagens, teu carinho.
    OBrigada, meiga amiga.
    Passar por aqui é um imenso prazer.
    Dias ajardinados p/ vc.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  32. Oi, Calu:
    Belos jardins, Alice, poesia e a arte do coração. Obrigada pela partilha e pelo carinho, amiga querida. Beijos, boa noite :)

    ResponderExcluir
  33. Olá Suziley,
    Obrigada pela tua visita ao meu blogue, eu ainda não sei quem participa nesta blogagem!
    Considero que a tua prestação foi muito interessante e completa. Escreves bem! È claro que te vou seguir.
    Beijinhos,
    Manú

    ResponderExcluir
  34. Oi, Manuela:
    Eu também não sei de todos que participam na blogagem coletiva. Tenho visitado quem consigo descobrir. Obrigada por sua visita e pelo carinho. Uma ótima semana para você, beijos :)

    ResponderExcluir

Partilhe conosco o seu pensar e o seu sentir!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...