quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Onde estão os seus filhos?...

Em tempos de eleições, onde estão os seus filhos, Pátria amada Mãe Brasil?

Olhe, escute, avalie. Use bem o seu voto e proteja a VIDA!

Não ao aborto!

Senhores governantes, somos a maioria.

Digam a verdade e mostrem a cara.

Abaixo à arbitrariedade e  ao maquiavelismo político.

Sim à VIDA, à VERDADE e à DEMOCRACIA!

Um bom dia! : )

 

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Um dia de primavera...


Um dia com cheirinho de lavanda...


Com o sorriso de uma criança...



Com amor no coração...



Com a beleza das flores...



Com um apelo pela paz...



Um lindo dia de primavera...



Recebam as flores...



Os nossos amores! Um bom dia a todos!! : )



segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Blogagem coletiva...



Dedique uma canção a quem você ama!!

Hoje, ao invés do meu querido, quero dedicar a música que segue no vídeo abaixo a uma pessoa que muito amo.

Falar dela é muito fácil. Pois ela é alguém cheia de luz própria. Vibrante. Guerreira. Não se abate com qualquer coisa.  É sempre um estímulo positivo nos nossos percalços. Pronta a ajudar a todo instante. Lição de perseverança. Temente a Deus. Escreve nas grandes páginas da vida a sua história. Vencendo a cada dia mais uma batalha.

Cheia de charme. Dona dos seus ideais. Pelas ruas onde anda espalha a esperança em dias melhores. A vida tem mais cor com ela. O sol brilha mais alto no horizonte. A canção se faz ecoar dentro do nosso peito. Bate, bate, bate o coração. É muita emoção. É amor. Lembra da música?! O amor pela dança e pelo ritmo do samba.

Canta a Marrom. Que é tudo de bom. É para você mãe querida esta canção que dedico. Vai com ela todo o meu afeto, todo o meu amor. Uma vez o poeta lhe cantou:

"Maura, mora...

Luz, aurora...

Tudo rima com você...

Eu até me sinto agora...

Menino não sei por quê!"

(Rubens de Castro, um poeta corumbaense).

Mãe Maura



"Antes de me despedir, deixo ao sambista mais novo o meu pedido final: Não deixe o samba morrer"!!

Um bom dia, boa semana a todos!! : )

domingo, 26 de setembro de 2010

Lázaro de ontem, de hoje, de sempre...


Hoje é o dia da Bíblia. E nesta manhã de domingo queremos ouvir a Palavra de Deus. Meditá-la em nosso coração. Olhamos a nossa volta, no Brasil, no mundo. Bem pertinho. Perto das nossas casas, dos nossos lares.  E contatamos a injustiça. E diante dela nos indagamos perplexos: como um Deus tão misericordioso e bom pode deixar os justos viverem à míngua da miséria, da pobreza, perseguidos e mal tratados?!  Onde está, ó Deus, que não responde a tantas injustiças?!
É dentro deste tema presente no Antigo como no Novo testamento e também nos dias atuais que Jesus nos conta a parábola do pobre Lázaro e do rico epulão. Epulão é um termo latino (épulas) que significa uma pessoa que faz banquetes. Aliás, a palavra épulas designa iguarias, manjares, aquilo que se oferece nos banquetes. Assim é que Jesus fala de um homem rico que vivia às tripas forras e de um indigente que mendigava as migalhas da sua mesa.
Interessante notar que nesta parábola, diversamente das demais, Jesus não dá nome ao rico, mas ao pobre chama de Lázaro. E não é por acaso. O nome Lázaro tem sua origem no hebraico e significa “Deus me ajuda”, “Deus é o meu auxílio”, “Deus me auxilia”.  Um nome, então, programático.  
O rico vestia-se da mais fina púrpura e do mais caro linho. E sua vida era regada a festas e a fartos banquetes. Despreocupado vivia.  Indiferente ao sofrimento alheio. Outra nota interessante, aqui, é perceber que naquela época vestir-se de vermelho (a cor púrpura) representava riqueza e poder. Pois o corante vermelho para tingir os tecidos era artigo caríssimo. Daí, então, ter ficado pela tradição o seu uso. Quando se faz uma solenidade logo se estende um tapete  vermelho no chão. O trono dos reis e seus mantos são feitos de veludo da mesma cor. O vermelho, então, era a cor da nobreza e da riqueza.  E quem democratizou o vermelho no mundo, de certa forma, foi o Brasil. Por causa do seu pau-brasil que era levado como especiaria. Corante da cor de brasa, vermelha. Mas, tal informação é só um parêntesis.  Voltemos à parábola.
Ali, naquela parábola percebemos os contrastes. Um grande abismo entre um personagem e outro. O rico vivendo no luxo. E o pobre Lázaro vivendo no lixo, das sobras. Disputando as migalhas com os cães que lambiam as suas feridas que o vestiam. Naquela época também era o costume dos ricos e abastados limparem as mãos sujas das carnes passando nelas os miolos do pão e depois os jogando no chão. E os cachorros famintos estavam sempre à espreita para comer os seus restos. E assim Lázaro também.
Mas, então, chega o dia em que Lázaro morre. Termina o seu sofrimento. E no Reino do Pai é recebido por Abraão. Aquele homem rico também morre e é enterrado. E, aí, a situação se inverte. Agora, quem vive a graça e o consolo é o pobre Lázaro. E quem vive o inferno das torturas é o rico esbanjador. O rico chama Abraão de pai e pede que o mesmo deixe Lázaro molhar sua língua para aliviar sua dor. Pede que o mesmo alerte os seus seis irmãos vivos. Para que mudem de vida e não venham parar onde ele está. Abraão o chama de filho, todavia diz que nada pode fazer. E que os irmãos vivos que não acreditam na Palavra de Deus muito menos acreditariam em milagres ou ressurreições dos mortos.
A injustiça campeia pelo mundo a fora. Está do nosso lado. A toda hora. Ela sempre existiu e vai existir. Pois o mal se origina do egoísmo humano. Vemos as notícias dos roubos, das prevaricações das autoridades, dos administradores. E até mesmo nas próprias igrejas. O deus idolatrado é o Mâmon (o dinheiro). Dinheiro e riqueza que mancham a honra e a dignidade de milhares de seres humanos. Privando-os de serem pessoas e filhos de Deus.
Mas como disse o profeta Amós. Deus não está dormindo. Ele vê e ouve os clamores dos injustiçados. Todavia, o seu reino não é deste mundo. Não é aqui que acontecerá a sociedade perfeita e ideal como quer várias ideologias. A parábola que, hoje, Cristo nos conta é a resposta do Pai para a injustiça no mundo. Pela compreensão do mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus, é que Ele nos garante a vida nova e vitoriosa num mundo que não mais terá fim.
A parábola é tão rica em ensinamentos que ficamos meditando. Jesus não disse que quem fosse justo e bonzinho e o seguisse teria, aqui, nesta vida o céu de alegrias. A cruz é pesada. São várias as tribulações. Há até mesmo o dito bíblico: “Se não encontras problemas pode ser que tua luta não seja justa”. Pois seguir, verdadeiramente, Jesus,  abraçar a sua proposta e o seu programa de vida, é também padecer perseguições e injustiças. Afinal, o Amor encarnou-se, fez-se carne, habitou entre nós e nós o rejeitamos e o matamos com morte de cruz. Todavia, Cristo venceu a morte e ressuscitou. E nos deu a certeza da nossa própria vitória e salvação.
Eis, aí, a resposta de Deus Pai. Coloquemos as nossas vidas em suas mãos. Confiança absoluta e irrevogável. Com S. Paulo, pedimos que trilhemos sempre o caminho  da justiça, da piedade, da fé, da caridade, da constância e da mansidão.  Que não sejamos igual ao rico da parábola mas, sim, um outro Lázaro à imitação do próprio Jesus Cristo.  Lázaro, de ontem, de hoje, de sempre.  “Deus meu auxílio”. Para que um dia possamos, então, pronunciar: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”! Amém!
Um bom domingo a todos!! : )


sábado, 25 de setembro de 2010

Um coração para amar...


O dia mundial do coração vem aí. Dizem que é amanhã. Não sei. O certo é que o coração merece cuidados contínuos. Seja o coração físico, como também o emocional.  Dele há muitos tratados. Já foi declamado em versos. Cantado em músicas. Para ele atribuímos valores benevolentes. E dele partimos para as comparações. Fulano não tem coração. Sicrano tem um coração enorme. Em coração de mãe sempre cabe mais um.
Dele, Fernando Pessoa, poeticamente, escreveu: “(...) E assim nas calhas de roda. Gira, a entreter a razão. Esse comboio de corda. Que se chama coração (...)”.
Comboio de corda. Cordas que mais parecem um conjunto de carros que se dirigem ao mesmo destino.  Carruagem, carris puxados por locomotivas. Trem em movimento orquestrado. E o Maestro bombeia o sangue da vida.  Senhor do sentir. Que também impulsiona o nosso agir. Pois se alguém é tocado no coração não é capaz de ficar parado, estático. Mas, ao invés, logo quer manifestar o seu bem querer.
E nós o que fazemos pela saúde desse Senhor que bate em nosso peito? Muitas e muitas vezes, judiamos do coitado. Seja nos alimentando incorretamente, seja estocando em suas entranhas sentimentos que o fazem sofrer.  Causamos a ele uma sobrecarga. Então, ele pede arreio. Trégua. Paz. Eliminação de gorduras.  Um fluir mais harmonioso.
Muitas vezes, ele, o coração entra em conflito com a razão. Aliás, já disse o filósofo e matemático Blaise Pascal: “O coração tem razões que a própria razão desconhece”. Não toma conhecimento dos porquês e dos argumentos. Sejam contra ou a favor. Ele só sente.  Por isso a sabedoria popular também nos ensinou que devemos “ouvir a voz do coração”.
O coração é o comboio, em movimento. O centro da vida. Abriga em sua morada também os bons sentimentos. E o maior deles se chama Amor. Façamos dele então uma casa bem cuidada. Constantemente abastecida de luz e de boas energias. Alimentos saudáveis. Exercícios físicos.  Cuidado e respeito.  Para sempre sentirmos nascer no peito o amor transformador.
Bate comboio de corda, no ritmo da esperança. Que seja a partida de boas ações. E o termo,  a chegada de muitas estações. “Um coração para amar. Para sonhar e sentir”, diz a canção.  Uma boa noite a todos!! : )

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Boas energias...


Colhendo os bons frutos de cada dia...


Ande mais de bicicleta pois a natureza agradece...


Bons pensamentos, boas energias...


Pe. Pio rogai por nós o santo do dia...


Uma ótima quinta-feira com muita alegria!! : )


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Um dia cheio...


Por isso vim, aqui,  para desejar um bom dia, um bom trabalho a todos!! : )

232 da Cidade Branca...


Parabéns a Cidade Branca,  a cidade onde nasci. Ontem, completaste 232 anos!  Salve, Corumbá no nosso querido Estado de Mato Grosso do Sul!!

Um bom dia a todos!! : )

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O sermão das árvores...



Hoje, no dia da árvore. Uma breve reflexão. Pessoas deviam ser como as árvores. Mansas. Tranquilas. É assim que nos ensina em seu livro A música da natureza o escritor Rubem Alves ao dizer que:

“Acho que o verdadeiro, sobre São Francisco, não é que ele tenha pregado aos peixes, aos pássaros. A verdade é que ele ouviu o sermão das àrvores. Por isso ficou tão manso, tão tranquilo. Ele tinha a beleza das àrvores. Estava reconciliado com a vida. Então os pássaros fizeram ninhos nos seus galhos e os peixes comeram dos seus frutos que caíam na àgua...”.

Sejamos, então, belas árvores, sinais, manifestações de esperança!!

Um bom dia a todos!! Plante uma árvore. Semeie o amor!! : )


 

Amiga de qualidade...

E, agora, quero postar o selinho recebido de uma pessoa amiga muito querida, "guria" de qualidade e qualidades mil. Obrigada Deia pelo carinho e pela amizade. Para mim foi uma grande alegria conhecê-la e encontrar o seu Rumo à Escrita, seu lindo blog http://rumoaescrita.blogspot.com/


Há pouco postei outros selinhos recebidos onde falei um pouquinho de mim. Agora, continuo a falar (como falo, heim?!!) sobre mais 9 (nove) coisas que vocês não sabem sobre minha pessoa.  Vou deixar fluir, as idéias pipocar, o coração abrir. Veja, aí, então, Deia e queridos amigos:

1) Quando adolescente, há muito tempo atrás, havia pensado que gostaria de ter sido freira. Talvez, fosse porque havia estudado no colégio das salesianas. Não sei. Mas, depois o tempo passou e a "febre" se foi.

2) Mas, por outro lado, casar não era uma preocupação quando menina moça. Queria estudar. Aprender. Conhecer. Viajar. Desbravar outras culturas. Fiz tudo isso. E um dia casei...hehe!!

3) Sou cristã, católica. Há muito tempo já fui catequista. Mas tenho e convivo com amigos de todas as religiões. Mesmo com aqueles que não as têm.  Gosto de ouvir o sentir do outro na sua experiência com o Divino.

4) Pretendo terminar a faculdade de filosofia que iniciei e quem sabe, um dia, como contribuição ensinar (e aprender), informalmente, sobre as grandes questões do SER. Não sei....talvez...

5) Não tenho grandes ambições materiais. Mediante o meu trabalho consigo atender as nossas necessidades. E vamos sobrevivendo sem maiores desgastes. Nada de estresse pois amanhã sempre será um novo dia!

6) Quero aproveitar cada momento, cada minuto, cada segundo, da convivência com o Manoel, com a Eliane, com meus pais, minha irmã e cunhado, etc. Usufruir do tempo livre com nossos bichos de estimação. Rir bastante. Brincar com as coisas sérias. Pois o tempo passa bem depressa.

7) Quero cuidar da saúde do corpo, da mente e do espírito. 

8) Não sou uma "expert" na cozinha. Mas tudo que faço, coloco carinho. Sázon...hehehe!!

9) Estou aprendendo como cuidar de um bonsai de romãzeira que ganhei de presente da Eliane.

Enfim, a  vida é tão cheia de detalhes, que falar de tudo, daria um livro. Da biografia de uma vida. Quem sabe um dia. Mas, agora, é tempo de agradecer, mais uma vez, a você Deia pelo selinho recebido. E o deixo, aqui, para quem quiser levá-lo também.

Desejo uma ótima terça-feira, uma ótima semana a todos! : )



Flores e mel...

É quase primavera e com muita alegria recebi o selinho que segue da querida Mi Satake do belíssimo blog http://elegalepoetico.blogspot.com/



Doce é o mel que as laboriosas abelhas produzem. Alimento terapêutico. Adocica a nossa vida. E na regra do primeiro selinho vamos contar para vocês 9 (nove) coisas sobre mim que vocês não sabem. Será que querem saber?!!..rsrsrs...hehehe!! Pensei e matutei. Decidi sentir e deixar fluir o que me viesse na mente e também no coração. Como uma tempestade de idéias e de sentimentos. Não sei se consegui. Mas, vamos lá, então:

1) Nasci numa cidade sul-mato-grossense (aos 10/07/1972) chamada Corumbá (em língua indígena "terra distante"), no Estado querido de Mato Grosso do Sul.

2) Sou a filha mais velha. Aliás, somos em duas irmãs. Eu e a Suquinha (Suellen). Meus pais, com a graça de Deus, ainda estão vivos (Maura e Antônio). Os mesmos residem em Campo Grande a capital do MS.

3) Morei em Campo Grande, MS, onde estudei e trabalhei. Fiz a faculdade de Direito. E, lá, também advoguei.

4) Mais tarde, passei em concurso público. Hoje, sou funcionária da Justiça Eleitoral.

5) O meu marido por ser de Porto Alegre e realizar, aqui, o seu tratamento de saúde, bem como também minha mãe, viemos para o Rio Grande do Sul, onde encontro-me removida e prestando serviço no TRE do RS.

6) Não tenho filhos biológicos. Só de coração. Aliás, 6 (seis já adultos) do meu marido. Que era um viúvo. 

7) Tenho um coração enorme, do tamanho do mundo. Assim meus familiares me dizem. Ajudo meus pais, minha irmã e cunhado, participo da vida e dos problemas do meu marido, da sua filha que mora conosco, enfim, de todos os que nos são queridos.

8) Desde pequena sempre tive muita imaginação e criatividade nas brincadeiras que inventava. Sempre fui mais inclinada para o gosto pela leitura e para a escrita. Assim é que para produzir e criar, como uma forma de terapia, decidi aprender e fazer um blog. E, daí, de lá para cá (a mais ou menos 1 ano) venho aprendendo sempre mais.

9) Meu marido chama-se Manoel. Ele (só poderia ser com este nome...hehe) é de origem portuguesa, açoriana.

Bom, agora que já sabem um pouquinho mais de minha pessoa, segue, então, o segundo selinho recebido da Mi, pois, afinal, está chegando a primavera e é preciso falar em flores. 


E a regra, agora, é falar 10 coisas de que gosto. Vamos, lá, então:

1) Gosto da vida simples. Natureza, parque, jardins, flores.

2) Ler livros, assistir filmes. Filosofia. Ciências Humanas. Atualmente, estou adorando ler os livros de Rubem Alves.

3) Gosto do silêncio. Mas, também, não tanto. Pois a música é minha outra paixão. Música de qualidade. Não importa o gênero. Sou eclética.

4) Gosto de caminhadas. Mas, desejo perder os quilos que adquiri para um dia, quem sabe, correr.

5) Sou apaixonada pelos animais. Sobretudo pelos os nossos cães: Shiva, Ika, Sof, Cigano e o Eros.

6) Gosto de eventos culturais mas também curto uma boa soneca.

7) Adoro tudo que não posso comer...rsrsrsrs....doces, massas, pães, etc...hehe!!

8) Gosto de andar pelo centro (histórico) de Porto Alegre.

9) Gosto de cantar e toco violão.

10) Gosto de oração e meditação.

Então, era isso. Agradeço, mais uma vez, Mi pelos selinhos. Deixo-os, aqui, para que quem quiser levá-los.

Um grande beijo no coração, boa noite : )





segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Canta, saudoso Teixeirinha...

A tua Querência Amada. Neste 20 de setembro. Parabéns ao Rio Grande do Sul!



Um bom feriado, uma boa semana a todos!! : )

História de uma alma...


Foi navegando na internet que encontrei o blog que, hoje, lhes apresento. Achei-o tão criativo. Repleto de poesias. Poesias escritas com fé, com esperança e amor. De um servo de Nosso Senhor. São histórias de uma alma. Um sacerdote que estuda Comunicação Social. Que utiliza os seus dons a serviço da evangelização. Seu nome marca sua procedência. Denuncia a sua missão. Chama-se Severino Isaías Lima. Um autêntico e talentoso nordestino. Com nome de profeta.  Fica, então, o convite. Para que visitem o blog do padre escritor, poeta e comunicador. 


Parabéns Pe. Severino Isaías! Que Deus o abençõe em cada dia, na vivência de sua vocação. Que seja instrumento de amor e de paz, aqui, na grande cidade dos homens!!

Uma boa semana a todos!! : )



domingo, 19 de setembro de 2010

A verdadeira riqueza...


Ainda ecoam em nossos ouvidos a música e a letra da Campanha da Fraternidade deste ano.  Campanha Ecumênica.  Com o tema:  “Economia e Vida”.  E o lema: “Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”.  Hoje, faz um lindo dia de sol. Bela manhã de domingo.  Convidando-nos à reflexão.  Lição de boa administração.  E Jesus, então, conta a parábola do administrador infiel, mas previdente.
Um homem rico tinha um funcionário que era responsável pela administração dos seus bens. No entanto, aquele administrador não estava sendo digno da confiança do seu patrão. Pois existiam denúncias contra o mesmo sobre o mau uso da riqueza que lhe fora confiada.  Assim é que o patrão chama o administrador e pede contas da sua administração.  O astuto funcionário, então, prevendo que seria despedido e percebendo que já estava velho e sem forças. Que não poderia cavar nem mendigar.  Toma uma decisão.
Vai ao encontro dos devedores do seu senhor.  Para eles propôs um abatimento das suas dívidas.  Aquele que devia cem barris de óleo,  pediu que escrevesse cinquenta. O que devia cem sacas de trigo,  orientou que escrevesse oitenta.  Assim fez o infiel administrador.  Pois pensou que procedendo daquela forma quando estivesse sem emprego teria feito amigos que o receberiam em suas casas.  E o seu patrão constatando a sua esperteza elogiou o funcionário desonesto.  
Elogiar o administrador desonesto?!  Qual seria o ensinamento que Jesus queria comunicar aos seus discípulos?!  Naquele tempo, os juros não eram permitidos. Logo, os empresários da época contratavam administradores combinando que o que eles cobrassem a mais pelo seu produto vendido caberia a eles.  Ou seja, quando o administrador negociou as dívidas dos devedores do seu patrão, ele nada mais fez do que abrir mão da parte que lhe cabia.  E reside, aí, a sua criatividade. Naquela altura da sua vida, de nada adiantaria o dinheiro, a riqueza, os bens.  Somente a amizade das pessoas que o acolheriam.
Hoje, vivemos outros tempos, outra época. Mas, não muito diferente no que toca à riqueza. Como o profeta Amós, há muitas denúncias que apontam a injustiça, a exploração. O deus das relações comerciais, no mundo do TER, ainda continua sendo o dinheiro.  Em nome dele muitas pessoas morrem de tanto trabalhar. Privam-se da família, dos amigos, da convivência com Deus. Em nome dele se matam, destroem-se. Vendem-se suas almas, sua honra, seus valores. Em nome dele, quebram-se os próprios princípios. Renegam a sua fé. Em nome de mais dinheiro.
O Cristo não disse que o dinheiro é ruim. Afinal, precisamos dele para sobreviver. O  que não devemos é ser submissos a ele.  Escravos obcecados pelas riquezas transitórias. Sejamos “espertos” usando da riqueza que nos é concedida. Do dinheiro como meio. Meio de praticar o bem a todos que nos cercam. Realizar a justiça social. Partilha de tudo que nos foi confiado por Deus Pai. Afinal, é Ele o Senhor de tudo que existe. Nós apenas,  administramos.
E com o “Apóstolo das Gentes”, S. Paulo pedimos sabedoria e discernimento. Fidelidade na administração dos bens terrenos.  “Esperteza” no uso das riquezas em favor do bem comum.  Quantos políticos que deveriam se converter! Afinal, não podemos, de fato, servir a dois senhores. Ou amamos a Deus e   realizamos o seu projeto de vida ou amamos o deus do dinheiro e contribuimos para morte e para destruição. Cabe a cada um de nós  escolher. Somos livres, somos filhos do Pai Eterno.  A nossa riqueza verdadeira!
 Um bom domingo a todos!! : )

sábado, 18 de setembro de 2010

O martelo de Thor...



E segue o martelo. Marteladas. As paredes socadas. Aqui, do lado, há uma obra. Já quase acabada. Um condomínio vertical. Um prédio de moradores vai ser.  Mas o barulho é infernal.  Os vizinhos estão em “frangalhos”.  E a gente também. Hehehe!!  É tok, tok, tok. Punk, punk, punk.  Uma sinfonia do caos.  Só param no domingo. Ainda bem.  O sono agradece. E o silêncio também. 

O Thor mora ao lado. Ribombos saem do seu martelo.  O deus dos trovões nasceu na mitologia nórdica.  Virou estória em quadrinhos. Quem nunca viu aquele homem de barba e cabelos vermelhos.  De grande estatura. Símbolo da força da natureza.  O seu martelo,  o Mjolnir.  Era mágico e nunca errava o alvo. E para mãos de Thor sempre retornava.
Thor era filho de Odin (deus surpremo de Asgard) e de Jord (a deusa da Terra). Era extremamente forte.  Comandante das chuvas, dos raios, dos trovões. O campeão das disputas contra os inimigos dos deuses.  Sua mulher era Sif (a deusa da colheita). Com ela teve uma filha, Thrud (Força). E com a giganta Jarnsaxa, dois filhos: Magni (Força) e Modi (Coragem).
Thor era apreciado pela sua honestidade e repugnância pelo mal.  Guerreiro que venceu gigantes, feras e monstros. Gostava da companhia de Loki.  Percorria o céu numa carruagem e as montanhas rugiam com o barulho das rodas.  Assim nasciam os trovões.  A tarefa de Thor era matar a cruel serpente, cria de Loki, a Jormungand.  Mas, morreu numa batalha.
E, aqui, ao lado, seguem-se os trovões. Briga de gigantes. Faíscas de ruídos. Pof, pof, pof. Trunk, trunk, trunk. Erguem-se os deuses em luta. Olha, aí. Melhor, ouça aí o martelo de Thor. Incansável e ensurdecedor. Quem vencerá a guerra?!!  Vamos aguardar. Beber paciência no café da manhã. E esperar o triunfo do silêncio.
Thor, por algum tempo, mora ao lado...hehehehe!!
Um ótimo sábado a todos!! : )




quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O flamboyant...


Ainda não botei os olhos para fora de casa. Acordei pensativa. E como disse Alberto Caeiro, “pensar é estar doente dos olhos”.  Pois enquanto pensamos a vida lá fora se manifesta.  E se manifesta em nós também.  Um turbilhão de idéias. Já contei que muitas vezes sofremos da “dor-de-idéia” como disse o poeta e escritor Rubem Alves.  Pensar.  Matutar. Amanheci assim.  Mais belo seria cantar como os pássaros que ouço, aqui, da janela.  Com toda essa cantoria não dá nem para imaginar que vivemos numa grande cidade. Selva de pedra.  De cimento e concreto.  Preciso sair para andar no parque. Encontrar a natureza. Flores e árvores. Aquietar os sentidos. Levá-los para passear.  Expulsar as idéias. E apenas contemplar os flamboyants. Eles são tão lindos. Beleza exuberante. Suas pequenas flores que caem e que deixam a grama forradinha de encanto.  Tudo na natureza é simples.  As árvores não pensam,  as flores não matutam. O regato de água só corre. Borbulha. Bolhas de sabão.  Que flutuam no ar.  A simplicidade encanta. Ela nos purifica da correria do dia-a-dia.  Da selvageria humanística.  Afinal, o ser humano só complica.  Arrogantes e prepotentes.  Iludidos pensam possuir poderes.  Domínios.  Pobres criaturas.  Tão necessitados de paz. De simplicidade. De afetividade. A vida nos dá aquilo que nós próprios semeamos.  Quem não consegue enxergar o encanto das coisas simples. Não consegue, também, sentir alegria. Pois a cabeça está cheia de um montão de planos para mais ter. E o coração fica vazio sem nada de verdadeiro para amar. Por isso o Caeiro estava certo. Vamos sentir a vida em toda a sua manifestação. Nas realidades pequenas. Na percepção da natureza.  Nada de sofisticação.  Raciocínios. Silogismos. Discursos eloqüentes. Somos diferentes. Temos almas feitas de poesia. Construímos os nossos canteiros mesmo na selva de pedra. Há jardins em flores.  Mais encantos, mais amores.  Somos de outra tribo.  Planeta da esperança.  Carregamos no peito a fé. Olha que bela oração é a árvore da vida. Um flamboyant florido. Vou para o parque. Ainda que me atrase um pouco. Às favas, com as dores-de-idéias! Fui!
Um belo dia para todos como o flamboyant florido!! : )


terça-feira, 14 de setembro de 2010

A formiga caminha...


Observo a formiga que caminha. Trabalhar é nossa sina.  O dia inicia-se e termina. Sempre há a rotina.  Nos passos daquela formiga. Nos passos da nossa vida.  Ela caminha e carrega uma linda folha verde suculenta.  O alimento que a sustenta.  Sem a qual nada haveria. Nem a formiga, nem sua sina. Muito menos a rotina.  Então, vai formiguinha. Caminha, caminha. Trabalhar também é preciso.  Remove os campos.  Carrega as folhas.  Admira o céu. E faz do seu pranto o seu próprio encanto.  Da sua dor uma linda canção de amor.  Da sua rotina a sua alegria.  Transporta e transforma.  Movimento de vida. Nas trilhas da esperança.  Sustenta  em seus ombros lindos sonhos de criança.  Que ainda persistem na sua maturidade. Uma formiga teve infância?! Talvez, quiçá. Certamente, que sim.  Sonha com o paraíso. O paraíso de uma formiga deve ser muitas, muitas folhas verdes. Para, então, ela transportar, carregar. É a sua razão de ser.  Como é bom levantar. Os olhos abrir. O ar respirar. Sentir o coração a pulsar.  Enxergar a pequena formiga.  Ela caminha, caminha. Então, vamos lá trabalhar. Mas, principalmente, viver!!
Um bom dia a todos!! : )

Dia do frevo...



É preciso graça e molejo...

Para a dança do frevo ensaiar...

Frevo que "freve", burbulha na agitação....

Veio, lá, do Nordeste esses jeito brincalhão...

Mistura de passos e de cores...

Encanto saltitante rente ao chão...

Salve o frevo, salve Pernambuco...

Alegria no coração!!

Bom dia! : )





segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Retrato da natureza...


Chuva no telhado...

Molhado o coração...

Retrato da natureza...

Escorrendo pelas mãos!

"Chove chuva, chove sem parar"...

Boa semana, bom dia a todos! : )

domingo, 12 de setembro de 2010

Na grande festa do Pai...



Soam as trombetas pois a festa começou. A música ecoa pelos ventos. Foi servida farta mesa. Há comida, há bebida. E pessoas alegremente a conversar. Celebração do reencontro. Da manifestação do perdão. O filho que arrependido retorna à casa do pai. E aquele pai cheio de júbilo ergue as mãos para o céu e agradece. “Meu filho estava perdido. E foi encontrado. Esteve morto. E hoje vive”. É assim o coração bondoso do Pai Eterno. Presente nas três parábolas de misericórdia narradas por Jesus Cristo.

O pastor sai em busca da sua ovelha perdida. A mulher pega a lamparina e procura pela moeda desaparecida. O pai não abandona o filho que o deixou. Nutre em seu coração a esperança do retorno daquele a quem desde sempre amou. A paciência e a bondade paternas são um bálsamo, uma alegria, um dom. O amor verdadeiro nada impõe. Somente propõe. E deixa livre para que cada um possa escolher. E no coração de pai as suas orações pelo filho sempre irá fazer. Não importa a idade ou o mal praticado. Os seus braços estarão sempre abertos. Prontos para acolher. Perdoar os pecados. De um coração arrependido. Renovado. Pois é o seu filho muito amado.

Jesus foi censurado pelos fariseus por partilhar a mesma mesa com os publicanos, os pecadores que o seguiam. Entretanto, aí, está a sua mensagem. Ele não veio, exclusivamente, para os justos e para os santos. Mas, sim e principalmente, para aqueles que vivem o pecado e os que não o aceitam também. Ele não desiste de cada um de nós. Conhece os nossos limites. Sabe das dúvidas, angústias, incertezas existentes em nossos corações. Mesmo assim para todos oferece a salvação. Pois assim está escrito que Ele desde sempre nos amou.

Foi assim também com Paulo. O perseguidor dos cristãos. Deus na sua infinita paciência esperou. E o dia da conversão, finalmente, chegou. O Saulo ficou para trás. Pertencente ao passado. Que, enfim, restou enterrado. Dali para frente o nome dele seria Paulo, “o apóstolo das gentes”. E, aí, tantos prodígios, como discípulo do Cristo, fez acontecer.

E como aquele filho pródigo na festa do Pai nos alegramos. Pois Ele resgata a nossa humanidade ferida. E a eleva e a santifica. Com sua bondade e misericórdia infinitas. Um pai é assim. Amparo, sustento, proteção. Capaz de dar a vida e o próprio coração. Para encontrar o seu filho perdido e garantir a sua redenção. Por isso nada de medo. Confiança sempre no amor do Pai. É ele o sentido da vida. A graça de cada dia que nos refaz! Amém!

Um bom domingo a todos! : )




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...